Nos sentimos responsáveis por modificar a triste realidade vivida por todos os brasileiros atualmente: em meio a uma das maiores crises sanitárias dos últimos tempos, nosso país se encontra, também, frente a um aumento constante de preços em um dos serviços mais básicos para o ser humano – o fornecimento de energia elétrica, além de estar ameaçado de racionamento, tem o seu valor alterado de forma significativa desde o início da pandemia do Coronavírus.

Na última terça-feira, 29/06, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), decidiu por aumentar 52% o valor da bandeira vermelha patamar 2, taxa extra cobrada em junho na conta de luz. A partir de julho, a taxa passa de R$ 6,243 por 100 kWh consumidos para R$ 9,49 por 100 kWh. O novo reajuste é justificado por uma das maiores crises hídricas dos últimos 90 anos. Com o nível baixo dos reservatórios, os custos com a geração de energia se tornam maiores, dado o uso de termelétricas para suprir a demanda nacional.

Com uma sociedade cada vez mais tecnológica, a ampliação do uso da energia elétrica é previsível. Entretanto, com políticas públicas engessadas, o emprego de energias renováveis ainda é limitado, mesmo com a infinidade de vantagens, como a redução dos custos de geração, alívio da carga das hidrelétricas e termelétricas, preservação do meio ambiente, otimização e igualdade na distribuição de energia.

A presença de escassas fontes de geração de energia conserva a alta nos preços. A taxação do sol em conjunto com a dependência das tradicionais concessionárias de energia, perpetuam o sistema existente em nosso país: as bandeiras tarifárias são um exemplo. Desde o ano de 2015, o Sistema de Bandeiras Tarifárias indica se haverá ou não repasse de acréscimos ao consumidor final.

Diante de todo esse cenário, nos vemos obrigados a contestar a conjuntura atual e lutar por melhorias no setor energético. Mais uma vez, reiteramos o quão nosso país é vasto em fontes energéticas renováveis, infelizmente não exploradas pelo governo brasileiro. Como um dos territórios com maior irradiação solar do mundo, o nosso “país tropical e abençoado por Deus” clama pela livre geração de energia, seja solar, eólica ou biomassa.

Lutamos pela autonomia de todos os brasileiros poderem produzir sua própria energia. Lutamos pela aprovação do PL 5.829/2019, que regulamenta nosso setor. Lutamos pelo direito de todos terem acesso pleno e justo à energia elétrica. Lutamos para que o Brasil se torne referência na produção de energia solar e outras energias renováveis. Precisamos insistir para que o nosso país cresça e se torne referência, para que não haja mais a imposição de preços exorbitantes por um dos serviços mais essenciais à vida humana.

Nossa guerra é a favor da liberdade para geração de energia própria! Nossa guerra é a favor do progresso, a favor da energia solar, a favor de preços justos! Lutamos pelo nosso setor, assim como lutamos pelo progresso da nossa nação. Nos apoie nesse movimento, batalhe pela sua independência para gerar energia e pelo fim dos preços exorbitantes nas contas de luz. É direito de todos ter pleno acesso a serviços básicos, como a energia elétrica, que efetivam a dignidade da pessoa humana, posta pelo art. 1º, inciso III da Constituição Federal.

Nossa guerra é a favor do progresso, a favor da energia solar, a favor de preços justos!

Nos apoie nesse movimento, batalhe pela sua independência para gerar energia e pelo fim dos preços exorbitantes nas contas de luz!

POR: DIANA DANIELE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *