O agronegócio é considerado um dos pilares da economia brasileira, colocando nosso país como um dos maiores produtores e exportadores de insumos agrícolas e agropecuários.

A utilização da energia elétrica é vasta na área rural, necessária para as operações diárias do campo. Dependentes de concessionárias públicas, a ausência de fornecimento de energia não é algo incomum no agronegócio, fazendo com que o produtor rural muitas vezes invista em geradores movidos a diesel, o que possui um alto custo e representa uma grande fonte de poluição.

Entre as atividades que precisam da extensa aplicação de energia elétrica, está o bombeamento de água para a rega de plantações e para matar a sede do gado, além do consumo próprio, alimentação de cercas elétricas, produção leiteira, a qual depende das ordenhas e do resfriamento do leite, a avicultura, secagem e armazenagem de grãos e o controles de estufas.

A energia solar fotovoltaica vem sendo empregada em larga escala nas áreas rurais devido a diminuição significativa dos custos com energia e fornecimento ininterrupto, o que corresponde à otimização do desempenho das operações agrárias.

De acordo com a ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), a potência de energia solar instalada em propriedades rurais no primeiro semestre de 2020 atingiu a marca de 142MW, investimento que já ultrapassa R$1,7 bilhão no Brasil.

Um dos fatores que contribuem para o uso da energia solar no agronegócio, é a constante crise hídrica, que aciona o sistema de bandeiras tarifárias (bandeiras verde, amarela e vermelha), elevando a conta de luz.

Além disso, a evolução das linhas de crédito e financiamento possibilitam ao produtor rural a compra de equipamentos para a geração de energia fotovoltaica de forma mais fácil, muitas vezes com meses de carência e taxas de juro baixíssimas.

O retorno do investimento inicial se dá em torno de 5 anos, cabendo destacar que os sistemas fotovoltaicos duram, em média, 25 anos em perfeito estado de funcionamento. A utilização de uma energia completamente sustentável também colabora com o agronegócio, demonstrando que é possível produzir de forma consciente.

POR: DIANA DANIELE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *